domingo, 27 de outubro de 2013

Contacto




Quando vires a desolação, saberás que chegou o momento do cântico. No teu coração soltarás um pedido, uma suplica a Jeová a fonte universal da vida. E terás de estar apenas tu e teu Deus num contacto directo e ele no seu tempo te salvará.

Dedicado a Jeová Deus

Aladin Van-Dúnem


sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Perfume





Quando entrei fingi não te ver, senti o teu perfume, bebi a tua inquietação. Mergulhei no tempo e saboreei o teu olhar, a tua voz, a doçura de um passeio ao Terreiro do Paço na direcção do mar. Dei-te a mão, afaguei o teu espirito e tu com um sorriso cheio de emoção, olhas o baton e pintas novamente os labios com que me beijas. 


Aladin Van-Dúnem

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

No percurso do Jazz




Gosto de pintar como de escutar jazz. No jazz vagueamos sem percurso definido, sem questões só no sabor. É a liberdade que se deseja sempre presente nos acordos de qualquer instrumento. Da Percursão ao Trombete, do Clarinete ao Piano, do Baixo ao Contra-baixo... todos eles se libertam, se perdem, preenchendo o nada com mestria e profundidade. Deixando o espaço perfumado e o dia na noite, onde nos é interdito estar sem estar, ser sem ser, viver por viver.


Aladin Van-Dúnem

No Leito do Rio




No leito do rio uma cotovia procura a semente no seio da terra escura, revolve e envolve a doce frescura com o bico cândido da espécie em extinção, afunda o olhar no horizonte e vasculha o instinto, percebe então que se encontra definitivamente perdida a semente e a terra.

Aladin Van-Dúnem

sábado, 5 de outubro de 2013

Tudo a dois




Um só dia é o necessário para preencher o vazio, moldar os teus olhos aos meus, aprender o idioma escondido nos teus sonhos. Um só dia em que fazenos tudo a dois, sem pesos, sem culpas, nem ressentimentos, um dia onde a pressa ficou á porta.

Aladin Van-Dúnem


Serpentear




Alvoroço das cigarras, nadar dos peixes, serpentear dos dias, aproximar dos anos, a mesa vazia, a serenidade das velas, a distancia do amor, a sombra do carvalho centenário, na tarde fria.

Aladin Van-Dúnem