sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Dina Ventura

O Beijo
Capa do seu próximo livro O Mistério das Cores Lançamento 28/10/2009 Local a Anunciar


O Corvo - Acrilico
Quem mata quem - Assim vai o mundo.
O CORVO (Poema)
Nunca me sinto só mesmo quando estou.
Estou sempre com o pensamento que por vezes não me deixa descansar.
Irrita-me a sua insistência, a sua presença constante de incitamento.
Peço-lhe folga, um instante que seja, para me sentir só e ele reage, pensando mais ainda.
Reflicto. Só o posso fazer, pois algo quererá.
Acordei já em continuidade de pensamento e ele segredou-me.
Como falas com alguém que não conheces?
Como estabeleces contacto com alguém que não sabes existir?
Não cheguei a conclusão alguma. Pois não existem definições para tais questões.
Embalo então na conversa com o pensamento. E deixo fluir, na loucura do permitir.
Permito que ele seja gente, que não se vê mas existe
Que não tem voz mas nunca está calado
Que não tem forma fixa e que muda a cada instante.
Surge de rompante.
E é na ponta da caneta que se exorciza, que o combato.
É algo mais forte que tudo.
Como se pensará sem pensar?
Onde estará o pensamento quando não se manifesta?
Agora está em diálogo com alguém que não conheço.
Mas reconheço. E fala e diz-me que nos conhecemos, sem conhecer.
Que não nos iremos ver e sim e apenas encontrar.
Há um pensamento comum.
Uma força de mistério que desaproxima quem está próximo
Pela admiração e pela distancia do espírito.
Mas existem são reais, são humanos e parciais.
Nada mais há a acrescentar.
Dina Ventura Maio/2009

Escritora e Artista Plástica